Logo PECE. Pular para página inicial
 

Ementa da Disciplina

CódigoeST-101
DisciplinaIntrodução à Engenharia de Segurança do Trabalho
ObjetivoPretende-se dar uma visão da engenharia de segurança, envolvendo aspectos políticos, econômicos e sociais. O aluno terá uma introdução ao complexo conceito de acidente, as responsabilidade do engenheiro de segurança e as associadas responsabilidade civil e criminal. Serão dados exemplos reais de discussão de casos práticos, com uma visão prevencionista com relação aos riscos no ambiente de trabalho.
Público_AlvoEngenheiros e arquitetos envolvidos com segurança, riscos e meio ambiente.
Ementa1. A evolução da engenharia de segurança do trabalho. 2. Aspectos econômicos, políticos e sociais. 3. A história do prevencionismo. 4. Entidades públicas e privadas. 5. A engenharia de segurança do trabalho no contexto capital-trabalho. 6. O papel e as responsabilidades do engenheiro de segurança do trabalho. Responsabilidade civil e criminal. 7. Acidentes: conceituação e classificação. 8. Causas de acidentes: fator pessoal de insegurança, ato inseguro, condição ambiente insegura. 9. Conseqüências de acidentes. Lesões e prejuízos materiais. 10. Agente do acidente e fonte de lesão. 11. Riscos das principais atividades laborais. 12. Exemplos e discussões de casos.
Bibliografia1. ALMEIDA, M. I. , Desenvolvendo a zona de sombras dos acidentes de trabalho. São Paulo, 1995. 132p. Dissertação (mestrado)-Departamento de Saúde Ambiental da Faculdade de Saúde pública da Universidade de São Paulo. 2. ALVESSON, M. Organization Theory and Technocratic conscioness: rationality, ideology, and quality of work. 3. Berlin, Walter de Gruyter, 1987. 4. ANTONCICHI, R. Trabalho e Liberdade: a teoria da libertação e a laboren exercens. São Paulo, Loyola, 1989. 5. ARANHA, ª L. M.; MARTINS, P. H. M. Filosofando: introdução à filosofia. São Paulo, Moderna, 1991. 6. ASHFORD, A. N. Crisis in the workplace: occupational diseasse and injury -a report to the ford foundation. 2.ed. Massachusetts, MIT Press, 1976. 7. BASAGLIA, F. et al., La salud de los trabajadores: aportes para una política de la salud. México, Nueva imagem, 1978. 8. BERMAN, M. D. Why work kills: a brief history of occupational safety and health in the united states. International Journal of Health and Services. v. 7, n. 1, p. 63-87, 1977. 9. BEYNON, H. Relações materiais e simbólicas na indústrias de carvão britânica. In : SEMINÁRIO SOBRE PADRÕES TECNILÓGICOS E POLITICAS DE GESTÃO : COMPARAÇÕES INTERNACIONAIS. São Paulo, 1989. Anais. São Paulo, Universidade de São Paulo/Universidade Estadual de Campinas, 1989. p. 209 - 25 10. BIAZZI, F. A perspectiva sócio-técnica. São Paulo, 1993. 147p. Dissertação (Mestrado) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. 11. BLOCKLEY, D. ed. Engineering safety. New York, Mcgraw-Hill, 1992. 12. BOLWEG, F.J. Job design and industrial democracy. Asten, Martinus Nijhoff Social Sciences Division, 1976. 13. BOTTOMORE, T. ed. Dicionário do pensamento marxisita, Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1988. 14. BRASIL. Ministério do Trabalho. Norma regulamentadora 17: manual de ultilização, Brasilia. 1994. 15. BRAUN, J. The humanized workplace: a psychological, historical, and practical perspective. Westport, PRAEGER, 1995. 16. BRAVERMAN, H. Trabalho e capital monopolista : a degradação do trabalho no século xx. 3.ed. São Paulo, Guanabara, 1987. 17. BREILH, J. Epidemiologia : economia, política e saúde. Trad. L. R. de Oliveira etal.. São Paulo, Hucitec, 1991. 18. BRITTON, G. S. Sustaining productivity advances in underground coal mining. Mineral Resources Engineering, v. 1, n.1, p.29 -42, 1988. 19. BROWN, K. R. Understanding organizations: theoretical perspectives in industrial sociology. London, Routledge, 1992. 20. BUCHANAN, A. D. The development of job desing : theories and techniques. New York, Praeger, 1979. 21. CARMO, S. P. A ideologia do trabalho. São Paulo, Editora Moderna, 1992. ( Coleção Polêmica). 22. CARNAL, C. A. The evaluation of work organization change. Human Relation, v.33, n. 12, p.885- 916, 1980. 23. CASTRO, A. M. Las nuevas formas de organización del trabajo : un analisis sobre su viabillidad. Madri, Akal Editor, 1982. 24. CHANLAT, F. J. Coord. O indivíduo na organização : dimensões esquecidas. Trad. de A. M. Rodrigues et al. São Paulo, Atlas, 1992. v. 1. 25. CHANLAT, F. J., coord. O indivíduo na organização : dimensões esquecidas. Trad. de A.M. Rodrigues et al. São Paulo, Atlas, 1993. v.2. 26. CHERNS, A. Principles of sociotechnical design revisted. Human Relations, v.40, n.3, p.153 - 62, 1987
Duração (h)30
Título Escolha
Imagem do selo de Garantia de Qualidade POLI
Centro de Apoio ao Aluno: atendimento@pecepoli.com.br
Telefone: (11) 2998-0000 Fax: (11)2998-0054
Segunda a sexta-feira das 9h00 às 21h00.
Logo da USP - link externo ©Copyright 2010 PECE - Todos direitos reservados. Logo da Escola Politécnica - link externo