Logo PECE. Pular para página inicial
 

Ementa da Disciplina

CódigoGRS-014
DisciplinaEmpreendedorismo e Negócios Socioambientais
Objetivo1. Qualificar o que se entende como um empreendimento socioambiental; 2. Apresentar o ecossistema dos empreendimentos socioambientais e os papéis de seus diferentes atores; 3. Discutir os desafios de gestão e de governança desses empreendimentos; 4. Debater os conceitos de cadeia de valor de impacto e geração de valor socioambiental e os limites dos instrumentos de avaliação.
Público_AlvoGestores de empresas dos setores privado e público, que são responsáveis pela gestão da sustentabilidade e, mais especificamente, pela gestão de resíduos de sua empresa dentro do contexto da Politica Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS).
Ementa1. Conceituação de Empresa Sustentável, Negócios Socioambientais e Organizações Híbridas. 2. Resgate histórico do surgimento de empreendimentos e negócios socioambientais 3. Sustentabilidade como desafio e oportunidade de negócio. 4. Espectro de Organizações híbridas: Negócios Socioambientais como tipo ideal de organização híbrida 5. Empreendedor Socioambiental (Liderança para um Negócio Social) 6. Ecossistema de empreendimentos socioambientais: diferentes atores e papeis 7. Caracterização de diferentes modelos de Empreendimentos Socioambientais 8. Desafios de gestão e governança de organizações hibridas: a. Atividades organizacionais centrais (core business); b. Composição da força de trabalho; c. Desenho organizacional; d. Relações Inter organizacionais; e. Cultura organizacional (incluindo Gestão de Mudança) 9. Cadeia de Valor de Impacto e Geração de Valor Socioambiental. 10. Sistemas de indicadores e métricas para Avaliação de um Empreendimento Socioambiental 11. Mecanismos e Soluções de Mensuração, Governança e Prestação de Contas
Bibliografia2. ALTER, S. K. (2006). Social Enterprise Models and Their Mission and Money Relationships. In A. Nicholls (Ed.), Social Entrepreneuriship: New Models of Sustainable Social Change (pp. 205-232). Oxford: Oxford University Press. 3. ALTER, S. K. (2007). Social Enterprise Typology. Virtue Ventures LLC, 1-31. Retrieved from http://rinovations.edublogs.org/files/2008/07/setypology.pdf 4. ASHOKA e INSTITUTO WALMART, Mapa de Soluções Inovadoras: Negócios Sociais e Negócios Inclusivos no Brasil: Descobertas e Aprendizados, 2013. - cap. 3 5. AUSTIN, J., STEVENSON, H., & WEI-SKILLERN, J. (2012). Social and commercial entrepreneurship: same, different, or both? Revista de Administração, 47(3), 370-384. doi:10.5700/rausp1055 6. BAKKER, F. DE, GROENEWEGEN, P., & DEN HOND, F. (2005). A Bibliometric Analysis of 30 Years of Research and Theory on Corporate Social Responsibility and Corporate Social Performance. Business & Society, 44(3), 283-317. doi:10.1177/0007650305278086 7. BATTILANA, J., & LEE, M. (2014). Advancing Research on Hybrid Organizing - Insights from the Study of Social Enterprises. The Academy of Management Annals, 8(July 2015), 1-44. doi:10.1080/19416520.2014.893615 8. BATTILANA, J., LEE, M., WALKER, J., & DORSEY, C. (2012). In Search of the Hybrid Ideal. Stanford Social Innovation Review, 10(3), 49-55. 9. CALIL, L.P. Indicadores: o desafio de evidenciar mudanças. In: OTERO, Martina Rillo. Contexto e prática da avaliação de iniciativas sociais no Brasil: temas atuais. São Paulo: Editora Peirópolis, 2012 10. COMINI, G., BARKI, E. & AGUIAR, L.A., O novo campo dos negócios com impacto social. In Negócios com impacto social no Brasil. São Paulo: Editora Peirópolis, 2013. 11. DAHLSRUD, A. (2008). How corporate social responsibility is defined: An analysis of 37 definitions. Corporate Social Responsibility and Environmental Management, 15(1), 1-13. doi:10.1002/csr.132 12. FISCHER, R. M. (2014). Negócios Sociais. In R. de F. Boullosa (Ed.), Dicionário para a Formação em Gestão Social (pp. 125-127). Salvador - BA: 13. FISCHER, R. M. O desafio da colaboração: práticas de responsabilidade social entre empresa e Terceiro Setor. São Paulo, Editora Gente, 2002. (cap. 2 pg. 39 a 51 e cap 4 p. 73 a 100) 14. Guia 2,5 http://www.protestoverde.com.br/wp-content/uploads/2015/10/GUIA25_InstitutoQuintessa_Outubro2015.pdf 15. NAIGEBORIN, V. e AGUIAR, L., Mapeamento dos negócios com impacto social no Brasil, in Barki et al. Negócios com Impacto Social no Brasil. São Paulo: Editora Peirópolis, 2013. (Cap. 11, pg. 236 a 249) 16. OLIVEIRA FILHO, G. R., KIYAMA, R. S., & COMINI, G. M. (2013). Os Desafios de Mensurar o Impacto Social. In CIAGS/UFBA. E. Barki (Ed.), Negócios com Impacto Social no Brasil (pp. 211-235). São Paulo: Peirópolis. 17. PORTOCARRERO, F., & DELGADO, Á. (2010). Negocios Inclusivos y generación de valor social. In SEKN Negocios Inclusivos: Iniciativa de mercado com los pobres de Iberoamérica. (pp. 301-326). Washington - DC: IADB.
Duração (h)18
Título Escolha
Imagem do selo de Garantia de Qualidade POLI
Centro de Apoio ao Aluno: atendimento@pecepoli.com.br
Telefone: (11) 2998-0000 Fax: (11)2998-0054
Segunda a sexta-feira das 9h00 às 21h00.
Logo da USP - link externo ©Copyright 2010 PECE - Todos direitos reservados. Logo da Escola Politécnica - link externo